Em pronunciamento feito nesse domingo(21) por Live, direto da Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios, Afogados da Ingazeira, o Bispo diocesano, Dom Egidio Bisol pediu paciência e prudência na reabertura dos templos católicos que compreendem as vinte e quatro Paróquias da Diocese, segue à integra da fala do Religioso:

Meus caros, todos sabem que a partir de amanhã [segunda-feira] o Governador do Estado liberou a possibilidade de celebrações com a presença do povo, ele não mandou fazer isso ele liberou, é outra coisa.

O fato dele não ter feito isso para todas as cidades, um grupo grande, oitenta(80) cidades onde isso não é possível ainda, para mim, é um sinal da prudência com que o Governo do Estado ‘tá’ tratando o assunto. Se ele liberou para o Pajeú como em outros cantos, deve ter alguns sinais objetivos que permita isso.

Do outro lado, a gente fica espantado que todo dia aparece novos casos e isso vai continuar a aparecer, porque quantos mais testes forem feitos tantos mais casos poderão ser detectados.

O quê que nós vamos fazer na nossa diocese?

Primeiro não temos pressa, acho que a prudência é uma coisa importante, todos desejamos poder participar presencialmente de nossas celebrações; como eu não sou especialista nisso, quem pode dizer uma palavra mais firme sobre isso é a autoridade, a vigilância sanitária, a autoridade de saúde vamos dizer que tem em mãos[…] o controle da situação.Disse.

Estudo com base na realidade local de cada Paróquia determinará reabertura

Então eu pedi aos padres que em cada Município tentasse estudar com a secretaria de saúde responsável por isso, o que se poderia fazer e como se poderia fazer para de um lado oferecer essa possibilidade e, do outro lado fazê-lo com segurança, com o máximo de segurança que a gente puder ter nessa situação.

Isso não significa que tudo passou, não passou nada, por esses três meses porém, a meu ver, deve ter nos ajudado a perceber que a coisa é grave e séria, que não podemos ser ‘meninos’ que temos que agir também com responsabilidade.

Então, eu pediria só um pouquinho de calma, de paciência, e nos próximos dias depois de ter feito essa consulta, a gente vai poder dá alguma orientação um pouco mais concreta.

Como já disse, queremos todos, desejamos voltar a ter celebrações com a presença do povo, não é só o povo que quer, eu também quero, os padres querem que não é muito ‘agradável’ olhar para os bancos a olhos abertos, tem hora que se eu fechar os olhos ‘tô’ vendo a cara de todos vocês aqui, mas com os olhos abertos é pouca gente. Pontua Dom Egidio.

Para reabrirem, os espaços precisam seguir um protocolo com medidas preventivas, como o limite de 30% da capacidade de público e a adoção de um intervalo de no mínimo três horas entre as celebrações, tanto para evitar aglomerações quanto para garantir a higienização do ambiente.

Medidas de proteção

  1. O uso da máscara é obrigatório durante todo o período que estiverem fora de suas residências, mantendo seu uso durante as celebrações;
  2. Os templos devem disponibilizar acesso fácil a pias providas com água corrente, sabonete líquido e toalhas descartáveis, sempre que possível;
  3. Os templos devem disponibilizar álcool 70% em todos os acessos;
  4. Grupos de risco (idosos maiores de 60 anos, gestantes e pessoas com comorbidades) devem permanecer em casa e acompanhar as celebrações por meios de comunicação como rádio, televisão, internet, entre outros recursos;
  5. Crianças menores de 10 anos devem permanecer em casa, mesmo que existam espaços destinados à recreação, como espaço kids, brinquedotecas e similares, uma vez que esses devem permanecer fechados;
  6. Nas congregações que celebram a ceia, com partilha de pão e vinho, ou celebração de comunhão, os líderes religiosos e o público devem higienizar as mãos antes de realizar a partilha. As pessoas devem respeitar o distanciamento aconselhado, e a comunhão será dada nas mãos, com a devida reverência;
  7. O método de ofertório deve ser revisto de forma a não haver contato físico entre as pessoas;
  8. Fica proibido o compartilhamento de materiais como bíblia, revista, rosário, jornais, entre outros. O uso desses deve ser individual;
  9. Dispensadores de água benta ou outro elemento de consagração de uso coletivo devem ser bloqueados;
  10. Após as celebrações, o local deve ser rigorosamente desinfetado principalmente, os mais tocados, como os bancos, maçanetas de portas, microfones entre outros;
  11. A limpeza e desinfecção dos sanitários devem ser intensificadas;
  12. Os dispensadores de água dos bebedouros que exigem aproximação da boca com o ponto de saída da água devem ser bloqueados;
  13. Todos os ambientes devem ser mantidos preferencialmente abertos, arejados e ventilados, de forma natural.

Redação