As cenas comuns, principalmente nas periferias, de um grupo de pessoas bebendo na calçada, ou jogando dominó, serão alvo das forças de segurança a partir do próximo sábado, quando começam a valer as medidas mais rígidas de isolamento social decretadas pelo governo (até o próximo dia 15 a ação será educativa).

“A polícia não só pode, como vai intervir para que essas aglomerações não aconteçam”, disse o secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antônio de Pádua, em entrevista para um emissora de rádio do Recife.

Uma das grandes dúvidas a respeito do decreto – que limita a circulação de veículos e pessoas pelas ruas – é saber se as polícias terão “perna” para proibir aglomerações comuns no Grande Recife, principalmente em mercados e locais de feiras livres.

“Estamos fazendo um estudo de identificação sobre onde estão estão as maiores aglomerações. Sabemos que muitas são nas imediações de feiras e mercados. É preciso saber se as pessoas têm realmente a necessidade de estar ali”, comenta Pádua.

Segundo o secretário serão coibidas as aglomerações que não tenham caráter essencial. “A gente sabe que existem filas para o recebimento do auxílio emergencial e isso é serviço essencial”.

Pádua também apelou para a ajuda dos municípios. “São eles que sabem os locais de maior fluxo de veículos e de maior aglomeração. Vão nos ajudar muito a identificar os pontos para que a fiscalização seja mais efetiva”.